A África e sua Cultura Gastronômica

Delícias gastronômicas da África

Em algumas regiões da África é de costume servir primeiramente a sopa como prato de entrada, após o prato principal e em seguida a sobremesa.

Para conhecermos melhor a gastronomia da África hoje conheceremos duas receitas tradicionais desse país, sendo uma delas a entrada uma deliciosa sopa e a outra uma receita de bolo com especiarias e nozes.

Sopa africana de batata-doce com amendoim

Uma sopa da culinária africana muito saborosa que mistura os sabores da batata-doce com o amendoim e é claro com um toque de pimenta caiena que está sempre presente nos pratos dessa cultura.

Vamos aos ingredientes:

  • 2 colheres (sopa) de óleo;
  • 2 cebolas picada;
  • 3 dentes de alho, picados;
  • 1 1/2 colheres (chá) de gengibre;
  • 2 1/2 colher (chá) de cominho em pó;
  • 2 1/2 colher (chá) de coentro em pó;
  • 1 colher (chá) de canela em pó;
  • 2 pitadas de cravo em pó;
  • 5 tomates médios, picados;
  • 3 batatas-doces grandes, descascadas e picadas;
  • 2 cenouras, sem casca e picadas;
  • 2 litros de água;
  • 2 colheres (chá) de sal;
  • 8 colheres (sopa) de amendoim sem sal, picado;
  • 1 boa pitada de pimenta-caiena;
  • 4 colheres (sopa) de pasta de amendoim cremosa;
  • 1 1/2 maço de coentro fresco picado.

Modo de preparo

Em uma panela de tamanho grande, aqueça o óleo em fogo médio. Quando estiver quente comece a refogar a cebola durante 10 minutos ou até ficar dourada. Após adicione o alho, o gengibre, o cominho, o coentro, acanela e o cravo. Mexa bastante para incorporar tudo e acrescente o tomate, a batata-doce e a cenoura. Vá misturando os legumes por aproximadamente 5 minutos.

Acrescente a água e também o sal. Quando a sopa começar a ferver reduza um pouco o fogo e deixe-a cozinhando por 30 minutos.

Após retire a sopa do fogo. Usando um processador de alimentos ou  um liquidificador, bata a sopa junto com o amendoim, até ficar cremosa. Adicione a pimenta-caiena. Leve a sopa novamente para o fogo. Acrescente a pasta de amendoim e mexa bastante para incorporar.

Em seguida, sirva-a quente coberta com coentro fresco.

áfrica

Nossa segunda deliciosa receita africana é de bolo de especiarias com nozes. Uma verdadeira tentação perfumada de especiarias contrastando com o crocante das nozes, é uma receita verdadeiramente incrível que é encontrada até em curso de doces finos.

Bolo de Especiarias:

Ingredientes:

4 Colheres (sopa) bem cheias de manteiga;

2 Colheres (sopa) rasa de noz moscada;

2 Colheres (sopa) rasas de canela;

2 Colheres (sopa) de fermento;

1 Xícara de cidra cristalizada em pedacinhos;

1 Xícara de nozes picadas;

1 Xícara de passas;

1 Xícaras de ameixas picadas;

4 Xícaras cheias de açúcar;

800 gramas de farinha de trigo;

2 cálices de vinho do Porto;

7 ovos.

Modo de Preparo:

Em uma batedeira bate a manteiga com o açúcar até que forme um creme e o açúcar fique completamente diluído. Junte os ovos bata mais um pouco e depois acrescente o vinho e a farinha misture tudo com uma espátula. Acrescente as frutas, o fermento misturando bem. Coloque em uma forma untada e asse por 45 a 50 minutos a 200°C.

áfrica

Se possível sirva ainda quentinho o aroma com certeza irá contagiar a todos. Ele é ideal para ser servido com um café quentinho!

O Continente Africano

Localização

A África é considerada como continente único por estar localizada em todos os hemisférios da terra: norte, sul, leste e oeste. Isso mesmo! Esse imenso continente é cortado pela Linha do Equador e pelo Meridiano de Greenwich. Possui uma área total de 30.221.532 km² e uma população de 1,033 bilhão de pessoas.

A África é banhada ao norte pelo Mar Mediterrâneo, o que separa esse continente da Europa. A nordeste, a África faz divisa com a Ásia, através do território do Egito, sendo delimitado também pelo Mar Vermelho. Ao leste, o continuado africano é banhado pelo Oceano Índico; já no lado oeste, pelo Oceano Atlântico.

No total, existem 55 países, seis deles são compostos por ilhas e 49 são continentais, compondo-se também do Sudão do Sul, o país mais jovem do mundo, cuja emancipação foi declarada em 2011. É propenso que o número de países nesse continente continue aumentando, considerando-se que a maioria das fronteiras territoriais dos países africanos são vulneráveis, ou seja, envolvem constantes disputas por independência ou até por unificação. A maior  parte dessas questões está ligada com o processo de colonização do continente africano.

A formação arqueológica do continente africano é marcado pela predominância dos planaltos, que são subdivididos em setentrional, centro-meridional e oriental. Essas regiões constituem-se por formações geológicas antigas e, portanto, mais intensamente transformadas pelos agentes exógenos de modelagem do relevo.

Em algumas regiões existem montanhas, de onde é possível observar os vales do rio Nilo, Congo e Níger.

A localização desse continente, contribui para o clima tropical, possuindo regiões muito quentes e com baixos índices de chuva. Nas proximidades da linha do equador os índices de chuva são maiores.

 

Os desertos

Nesse continente existem dois desertos um deles ao norte, o deserto do Saara, o segundo maior do mundo, com mais de nove milhões de quilômetros quadrados, possuindo assim, uma área maior que a do território brasileiro. O outro deserto está localizado ao sul é o deserto do Kalahari, o quinto maior do mundo, envolvendo a área de vários países sul-africanos. Além dessas duas paisagens, registra-se a presença de vários tipos de vegetações naturais, como a Floresta do Congo, as plantas desérticas, a Vegetação Mediterrânea, as Estepes e, principalmente, as Savanas, que predominam no continente e que em muito se assemelham ao Cerrado brasileiro.

 

Economia

O continente africano é mundialmente conhecido como o mais pobre do mundo. A maior parte dos países possui baixíssimas riquezas pecuniárias, apesar da abundância de riquezas naturais, e infelizmente possui um dos piores Índices de Desenvolvimento Humano do planeta. Com graves problemas sociais, como a desnutrição, o analfabetismo e a mortalidade infantil.

 

Esse quadro acaba se fortalecendo em razão de os países africanos serem exportadores de matérias-primas. Sendo assim, as economias dos países tornam-se muito dependentes dos países desenvolvidos. Além disso, a maior parte dos recursos naturais encontra-se sob o desfrute de poucos, o que eleva a concentração de renda e contribui para que a população local não receba os benefícios da produtividade de suas terras.

 

Cultura gastronômica

Muitos colonizadores passaram pela África, devido as rotas marítimas que ligavam o oriente ao ocidente. Dessa forma, a comida típica recebeu influência de diversos países do mundo.

Em algumas regiões da África as mulheres são responsáveis pelo preparo dos pratos doces. Clique aqui. E os homens pelo preparo das carnes. Tradicionalmente na África a cozinha fica do lado de fora da casa e os alimentos são cozidos com as panelas expostas diretamente sobre o fogo. A panela fica disposta sobre três pedras e o fogo é feito com três pedaços de lenha.

A Líbia

Cultura e tradições

A Líbia é uma nação que se encontra fortemente presente em suas culturas como as festas populares ligadas a dança. As músicas são árabes e os ritmos são embalados ao som de flautas e tambores.

A herança cultural da Líbia vem de muitos povos que estiveram em suas terras e as abandonaram, como por exemplo, as ruinas romanas e gregas que lidam com descendência proeminente árabe e muçulmana.

A produção de tecidos, tapetes e bordados com formas geométricas são produzidos no país em grande quantidade, encantando os visitantes com a produção de peças bem-acabadas e elegantes.

Uma das festas mais populares comemoradas é o dia da Líbia, festejado no dia dois de março, como também o festival de Ghaldames, que é um festival de folclore internacional elaborado todos os anos. Esses festejos cativam todas as pessoas, tanto as que vivem no país como também os visitantes, tanto pelos preparativos das comemorações como pela forma como são comemoradas pelo povo.

Vestimentas

Na Líbia as mulheres vestem uma roupa chamada barracano, que é uma espécie de vestido que cobre todo o corpo desde os pés até a cabeça. Vestindo essa roupa pode-se ver apenas os olhos e as mãos das mulheres. Já os homens se vestem de uma maneira mais informal, todavia a cultura dominante no local é muçulmana. Usa-se também turbantes e túnicas que são roupas que se ajustam ao clima da região, suportando os dias quentes e também as noites frias do deserto.

Com a ampliação do islamismo após o século VII, foram impostas algumas regras no que diz respeito as vestimentas. A religião não admite que os seguidores mostrem o corpo em público, no caso dos homens, não pode-se mostrar entre o umbigo e o joelho. Quanto as mulheres apenas as mãos e os olhos podem aparecer.

Sendo assim, as roupas não podem de forma alguma terem qualquer transparência, também não podem ser justas a ponto de desenhar o corpo. O corpo só pode ser visto pelo companheiro e por poucos familiares. Mesmo assim, dentro das residências as pessoas podem vestir-se mais confortavelmente.

Gastronomia do país

Os italianos passaram pela Líbia e deixaram forte marca de sua cultura gastronômica, até os dias atuais, são presentes os pratos com massas. Outros pratos tipicamente locais são a carne de cordeiro, as sopas que geralmente são servidas antes do prato principal, o cuscus, pastéis, peixes e sobremesas doces com figo e nozes.

Lugares para visitar

A Líbia é um país que exibe belezas únicas, apesar do turismo andar a passos ainda bastante lentos, o país é abundante em belezas naturais e arquitetônicas.

Alguns locais com belezas únicas para se visitar no país são:

Bengazi que possui lindas paias;

Shahhat que é uma cidade que é considerada patrimônio da Unesco, onde encontran-se as ruinas gregas e um importante sítio arqueológico;

Gadamés também é considerada patrimônio da Unesco, possui ruas curvas com casas pintadas de branco;

Misratah possui praias magníficas e o deserto tem dunas enormes próximas a cidade;

Lagos Ubaro, rodeados por dunas e palmeiras os onze lagos do deserto do Saara possuem uma paisagem verdadeiramente incrível;

Wadi Mathkendoush é considerada uma galeria ao ar livre, que apresenta desenhos em rochas com mais de doze mil anos;

Jebel al-Uweinat possui inúmeras formações rochosas, também com desenhos em meio as montanhas;

Sabratha possui templos e teatros romanos perfeitamente preservados.

São muitas as opções para visitações tanto nas praias como nas cidades históricas.

Gastronomia da Líbia

Líbia e sua gastronomia

A Líbia é um país que tem forte preponderância da cultura italiana e árabe na questão gastronômica. Na Líbia não são produzidos doces finos como se vê no Brasil. Saiba mais.

A culinária na Líbia apresenta muitos pratos com macarrão, dentre outros pratos específicos e principais do local estão o cuscus, a carne de cordeiro, sopas, pastéis e pratos com peixes. É comum ser servido um prato de sopa picante juntamente com o prato principal.

mamulQuanto aos pratos doces são oferecidas algumas delícias como o Mamul  que é um doce amanteigado e assado extremamente delicioso e suculento.

Vamos a ele?

Ingredientes da massa para o Mamul:

2 kg de manteiga;

4 kg de farinha de trigo;

4 copos de água de rosas;

4 colheres de fermento biológico.

Modo de preparo:

A manteiga deve ser colocada para ferver em uma panela, para que saia toda a água, até que deixe de chiar. O fermento deve ser dissolvido na água. Em uma tigela deve-se colocar todo o trigo e a manteiga ao mesmo tempo, ir misturando com as mãos, adicionar o sal, e aos poucos a água com o fermento. A massa deve ficar úmida e leve. Após esse processo é necessário que a massa descanse por 20 minutos.

Ingredientes para o recheio:

Açúcar cristal ou açúcar de confeiteiro para decorar, o quanto baste;
1 kg de nozes ou castanhas de caju;
1 kg de doce de figo seco ou ameixas;
400 gr. de açúcar.

Modo de preparo:

Pique os ingredientes em pedaços pequenos, coloque em uma panela adicione o açúcar e cozinhe até engrossar. Espere esfriar.

Montando o doce:

A massa deve ser aberta a mão mesmo. Pegue pequenas quantidades de massa abra na palma da mão mesmo e coloque um pouco do recheio, feche com a massa para que não apareça nada do recheio. Se preferir você pode fazer em forminhas de empada ou de quiche. Coloque a massa em finas camadas na forminha recheie e depois cubra com uma fina camada de massa, assim todas as unidades ficarão com o mesmo tamanho.Asse a 200°C até dourar. Depois de prontas ainda quentes decore com açúcar.

Outro doce que é típico da Líbia e que é servido no Natal é um doce em calda que leva figo seco e nozes e que também é muito saboroso.

Ingredientes para o Doce de figo com nozes:

2 kg de figo seco cortados ao meio;

1 kg de nozes em pedaços ou cortadas ao meio;

4 copos de água.

Modo de preparo:

Coloca-se todos os ingredientes em uma panela e cozinha-se em fogo baixo até a calda ficar em ponto de fio, após esfriar pode-se colocar algumas gotas de essência de rosas para dar um toque especial. Sirva frio.

A culinária na Líbia não oferece muitas variedades de doces, mas em relação a culinária salgada é possível se deliciar com as carnes de borrego, camelo e peixes, sempre acompanhadas de massas ou cuscus.

No país é proibido o consumo de qualquer bebida alcoólica, portanto a água e os refrescos são muito consumidos em todos os locais.